Aplicação Tecnológica

A meta da FuturaGene é aplicar sua tecnologia de ponta em setores de negócios estratégicos, com o objetivo de aumentar a sustentabilidade e o retorno econômico. Para isso, a empresa definiu setores específicos onde esta tecnologia deverá ser aplicada. Eles incluem:

Florestas plantadas

O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (CDM), estabelecido pelo Protocolo de Kyoto, incentiva o uso de florestas como meio de reduzir os níveis de CO² atmosférico. A tecnologia da FuturaGene proporciona um aumento significativo na produtividade de clones de eucalipto comercial, em testes de larga escala. Quanto maior a produtividade florestal, menor a pegada deixada pela plantação, devido à menor demanda por recursos para preparação e colheita. Um benefício adicional é a redução da poluição causada pelo transporte, já que mais madeira será produzida perto do local onde será processada.

Além da sólida parceria com a Suzano, a FuturaGene estabelece colaborações regionais com empresas líderes em florestamento com o objetivo de desenvolver germoplasma de eucalipto de alta performance para o setor florestal. Apesar de estar focada no eucalipto, a segunda espécie mais utilizada no mundo pelas indústrias de papel e celulose, a tecnologia da FuturaGene é adequada a outras espécies de árvores plantadas, tais como álamo, salgueiro e espécies de madeira mole, que podem ser produzidas utilizando a tecnologia de embriogênese somática.

Bioenergia

Estações de energia movidas a carvão podem utilizar pellets de madeira para substituir cerca de 20% de sua matéria-prima. Como o pellet de madeira pode ser produzido a partir de plantações que possuem um ciclo de curta duração (2 anos), constitui-se em uma fonte de combustível imediata e renovável, disponível para produção de eletricidade, reduzindo significativamente a emissão líquida de carbono. A energia contida nesses pellets de madeira é de aproximadamente 5MWh/ton. Apesar de ser menos que o conteúdo energético do carvão (~8MWh/ton), é muito maior que a gerada pelo cavaco (~3MWh/ton). A tecnologia da FuturaGene proporciona aumento significativo na produtividade de eucalipto e álamo em rotação curta (1 a 3 anos), reduzindo a demanda por terra para produção, o custo de insumos e as emissões de carbono ligadas a própria produção florestal. A FuturaGene tem na empresa Suzano Energia Renovável, pertencente ao mesmo grupo econômico, outro potencial cliente cativo de larga escala para sua tecnologia.

Biocombustíveis

Atualmente, os combustíveis fósseis (petróleo, carvão e gás) respondem por 80% do total da energia mundial (Agência Internacional de Energia, 2007). Entretanto, estes compostos não são renováveis e contribuem de forma significativa com as emissões de carbono, o que contribui para as mudanças climáticas globais.

O programa de biocombustíveis da FuturaGene é focado em matérias-primas renováveis com produtividade e processabilidade aprimoradas, e que sejam ambientalmente sustentáveis. O preço da matéria-prima e sua processabilidade constituem-se nos maiores responsáveis pelos custos das tecnologias de produção etanol celulósico ou de segunda geração, sendo, portanto, um grande obstáculo à viabilidade econômica desses combustíveis renováveis. A tecnologia da FuturaGene pode ser utilizada para criar matéria-prima de biocombustível, com aumento de biomassa, ciclos mais curtos de safra e maior facilidade na extração da celulose. Além disso, a FuturaGene também trabalha no aumento da tolerância das plantas ao estresse abiótico, permitindo o cultivo da matéria-prima em terras marginais, atualmente não utilizadas para a plantação de alimentos.

A tecnologia da FuturaGene pode ser aplicada a uma ampla gama de culturas ricas em biomassa celulósica, que vêm sendo desenvolvidas como matérias-primas para biocombustível, como switchgrass (espécie perene nativa das Américas), miscanto (gramínea de folha perene), eucalipto de baixa rotação, álamo e salgueiro. A FuturaGene trabalha em parceria com institutos de pesquisas, melhoristas e empresas de tecnologia para co-desenvolver materiais genéticos modificados e processos industriais apropriados para a produção otimizada de biocombustíveis em diferentes regiões do mundo.